217 913 700
Dias úteis: 9:00 - 18:00
EN
EN
  • COSEC >
  • Notícias >
  • Insolvências em Portugal caem 19% até ao terceiro trimestre de 2017

Insolvências em Portugal caem 19% até ao terceiro trimestre de 2017

Lisboa, 13 de novembro de 2017 – O número de empresas insolventes em Portugal foi de 2.260 até ao terceiro trimestre de 2017, diminuindo em 19% face ao mesmo período de 2016, reflete a análise da COSEC, seguradora líder nos ramos do seguro de créditos e caução, no seu estudo COSEC Dinâmica Empresarial.

O estudo conclui também que os pedidos de Processo Especial de Revitalização (PER) diminuíram 58% até ao terceiro trimestre (256 no total, contra 603 até ao terceiro trimestre de 2016), tendência que deverá estar relacionada com o Decreto-Lei n.º 79/2017, de 30 de junho, que alterou o Código das Sociedades Comerciais e do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas (1).

Segundo a COSEC, o encerramento destas empresas até ao terceiro trimestre de 2017 equivale a uma perda de mais de 12.900 postos de trabalho e a um volume de negócios de mais de 1,2 mil milhões de euros, de acordo com as últimas informações contabilísticas disponíveis.

Saiba mais no comunicado em anexo.

Insolvências em Portugal caem 19% até ao terceiro trimestre de 2017

Lisboa, 13 de novembro de 2017 – O número de empresas insolventes em Portugal foi de 2.260 até ao terceiro trimestre de 2017, diminuindo em 19% face ao mesmo período de 2016, reflete a análise da COSEC, seguradora líder nos ramos do seguro de créditos e caução, no seu estudo COSEC Dinâmica Empresarial.

O estudo conclui também que os pedidos de Processo Especial de Revitalização (PER) diminuíram 58% até ao terceiro trimestre (256 no total, contra 603 até ao terceiro trimestre de 2016), tendência que deverá estar relacionada com o Decreto-Lei n.º 79/2017, de 30 de junho, que alterou o Código das Sociedades Comerciais e do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas (1).

Segundo a COSEC, o encerramento destas empresas até ao terceiro trimestre de 2017 equivale a uma perda de mais de 12.900 postos de trabalho e a um volume de negócios de mais de 1,2 mil milhões de euros, de acordo com as últimas informações contabilísticas disponíveis.

Saiba mais no comunicado em anexo.